Saltar para o conteúdo

GERAÇÃO 80

Cultura não é só entretenimento


GERAÇÃO 80

In 2010, three Angolan partners, Fradique (filmmaker), Tchiloia (construction developer), and Jorge (manager) got together, and, with their own savings and personal resources, opened an audiovisual production company, Geração 80 (literally, the 80s generation). Nowadays, the company has 18 permanent employees and has been able to re-invent itself in times of crises, being able to maintain a regular and rotational work volume.


GERAÇÃO 80

En 2010, trois partenaires angolais, Fradique (cinéaste), Tchiloia (promoteur de construction) et Jorge (directeur) se sont réunis et, avec leurs propres économies et ressources personnelles, ont ouvert une société de production audiovisuelle, Geração 80 (littéralement, la génération des années 80). Aujourd’hui, l’entreprise compte 18 employés permanents et a su se réinventer en temps de crise, en étant en mesure de maintenir un volume de travail régulier et rotatif.


Foi em 2010 que Fradique, Tchiloia e Jorge, três sócios angolanos se juntaram para abrir uma produtora audiovisual.

Foi em 2010 que Fradique, Tchiloia e Jorge, três sócios angolanos (um realizador, uma construtora civil e um gestor) se juntaram e pegaram nas suas poupanças e recursos próprios para abrir uma produtora audiovisual. Eram poucos quando começaram, mas hoje a empresa compõe-se de 18 trabalhadores permanentes. A partir do seu escritório em Luanda, no Bairro Alvalade, produzem filmes de ficção, documentários, vídeos corporativos, institucionais, publicidade, e videoclips. Rodaram já por todos os cantos do país e em vários lugares do mundo.

A Geração não é um caso isolado, este “caminho do meio” tem sido seguido por outras pequenas produtoras e cineastas no mercado angolano. “Conhecemos bem todas as carências estruturais e estamos conscientes de como cada frame que nos rodeia diariamente possui um sem fim de estórias por contar. Do nosso lado, existe a vontade genuína de explorar novas linguagens e de abrir caminhos para contar essas estórias – as nossas.” Têm feito documentários, como o Do outro lado do mundo, de Sérgio Afonso (2016) curtas e longas metragens ou co-produções internacionais (como por exemplo a série Triângulo, com Portugal e Brasil 2013) e acaba de sair o Para Lá dos meus passos, de Kamy Lara (2018) que acompanha a montagem do espectáculo da temporada de 2017. Na ficção produziram curtas metragens dos realizadores Ery Claver, Hugo Salvaterra e o artista plástico Kiluanji Kia Henda. recentemente começaram a desenvolver as suas primeiras longas de ficção: Ar Condicionado e O Reino das Casuarinas, uma adaptação do romance com o mesmo nome de José Luís Mendonça.  No mundo da música já produziram vídeos para Yuri da Cunha, MCK, Aline Frazão, Nástio Mosquito, Toty Sa’Med entre outros.

Para além de saberem reinventar-se nos momentos difíceis de crise, conseguindo manter a regularidade do trabalho, é sobretudo a postura de um certo olhar para o país “de dentro e de perto” que os distingue. “Queremos reflectir e dar a conhecer as memórias, as cores, os sons, os traumas, os desejos e as histórias que Angola vive actualmente. Para nós, cultura não é entretenimento. É mudança, é crítica, é a construção de uma identidade – é a possibilidade de um novo começo a cada filme.”

Sector
Media e Tecnologias
País
Angola
Web

Web-site

Morada Rua Ramalho Ortigão Nº1, Alvalade, Luanda, Angola

Endereço electrónico info@geracao-80.com

NEWSLETTER FUTUROS CRIATIVOS

Subscreva a Newsletter Futuros Criativos

Utilização de acordo com a nossa Política de Privacidade.