Saltar para o conteúdo

Mezimbite Forest Centre

Praticar na floresta as ideias do design sustentável

Partindo do reflorestamento, o Mezimbite Forest Centre é hoje uma empresa privada de gestão sustentável da floresta.

Born out of a reforestation initiative, the Mezimbite Forest Centre is nowadays, a private company working in sustainable forestry management, with an organic farming production for markets and local communities consumption. Examples of plants grown there include: medicinal herbs like marigold and aloe vera; native woods like Chanfuta and Blackwood; and vegetables such as beetroot, mustard, mboa (a particular kind of pumpkin whose leaves are used in traditional dishes), rocket, dill, and piri-pi

O Mezimbite Forest Centre (Centro da Floresta Mezimbite), localizado a cerca de 30 minutos do centro da cidade da Beira, nasceu em 1994, por iniciativa do arquitecto Allan Schwarz e emprega, atualmente, cerca de 100 moçambicanos – desde marceneiros e espremedores de óleo a viveiristas e apicultores.

O sul-africano, que é também ambientalista, decidiu fazer o reflorestamento de Mezimbite, abrindo novas áreas para trabalhar na comunidade, sensibilizando para uma boa gestão dos recursos naturais. A ideia era colocar em prática as ideias de design sustentável que eram o conteúdo de “Design with Nature” , um curso que ele ensinou como professor no Centro de Estudos Visuais Avançados do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos EUA.

A iniciativa é hoje uma empresa privada de gestão sustentável da floresta, onde se cultiva de forma biológica, quer para venda, quer para consumo das comunidades locais. Por exemplo: cultiva plantas medicinais como a calêndula e o aloé vera; plantas nativas como a chanfuta e o pau preto; produtos hortícolas como a beterraba, mostarda, mboa, rúcula, aneto (tempero e repelente), piri-piri, entre outros. Depois, mobiliário, mel, sabão de côco e artesanato em madeira reaproveitada são, ainda, alguns dos produtos do projeto. Além disso, tem uma forte componente de formação para a comunidade: carpintaria, gestão sustentável e nutrição.

Ao desenvolver novas habilidades entre os membros da comunidade local, a proporção do produto de valor acrescentado aumentou e as vendas de matérias-primas como o carvão, devastando a floresta, cessaram.

Com maior conhecimento e habilidades, a Mezimbite agora produz uma série de produtos florestais não-madeireiros e produz excedentes de alimentos através de sua divisão agroflorestal. Em 2010, os produtos da Mezimbite (sob as marcas BoM e ADS) foram usados pela UNCTAD como exemplos de melhores práticas de produtos da Biodiversidade durante o Ano da Biodiversidade das Nações Unidas.