Saltar para o conteúdo

Tchiloli

Tchiloli: sinónimo da palavra teatro

O Tchiloli é um teatro popular são-tomense, do ciclo das histórias europeias medievais de Carlos Magno.

Tchiloli, a synonym for “theatre” in São Tomé and Príncipe, is the country’s most well-known and documented cultural manifestation, and derives from European medieval stories, particularly Charlesmagne’s. This form of theatre takes place in an open, wide place during the gravana period (dry season), as part of the catholic saints’ festivities. UNESCO’s recognition as World Heritage is envisioned for Tchiloli.

O Tchiloli é um teatro popular são-tomense, do ciclo das histórias europeias medievais de Carlos Magno, principalmente A Tragédia do Marquês de Mântua e do Imperador Carloto Magno, que trata do confronto trágico entre D. Carloto, herdeiro de Carlos Margo, e Valdevinos, sobrinho do Marquês Mântua, e que terá sido introduzida em São Tomé no século XVI, pelo dramaturgo da Ilha da Madeira, Baltasar Dias. O tchiloli, sinónimo da palavra teatro, é a manifestação cultural mais conhecida e documentada do país.

Os grupos de tchiloli, denominados de tragédias, estão espalhados por diversas localidades de São Tomé, representando versões próprias daquela peça. O espectáculo tem a duração de 5 a 6 horas, com grande participação do público. Decorre num espaço aberto, um terreno amplo, uma praça pública, durante o período da gravana (estação seca), por ocasião das festas populares, geralmente as associadas aos santos padroeiros. O tchiloli tem igualmente uma importante componente de música e dança. Todo o trabalho cenográfico e de vestuário é da responsabilidade dos grupos, transmitindo-se, os papéis representados, o guarda-roupa e os textos, entre membros das famílias.

Um dos grupos de Tchiloli mais conhecidos é o Formiguinha de Boa Morte que tem mantido a sua atividade ao longo de décadas e já representou o país em vários eventos internacionais. É um dos 4 ou 5 grupos que continuam no activo a prolongar a tradição, como o Florentina do Caixão Grande, o Santo António Madre de Deus e os Africanos de Cova Barro.

O património cultural associado ao Tchiloli tem vindo a ser trabalhado e divulgado em iniciativas diversas nomeadamente na Bienal de Arte e Cultura de São Tomé, em documentários, livros e sites, antevendo-se o seu reconhecimento como património mundial da humanidade.